<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d9111424349113463958\x26blogName\x3dmanh%C3%A3s+descal%C3%A7as\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://heartshavegone.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://heartshavegone.blogspot.com/\x26vt\x3d-8652895660421881185', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Na madrugada suja do frio inverno, revejo o meu reflexo em espelhos quebradiços - uma mulher com uma alma sombria, um coração combatido por ímpetos subitâneos e com inexplicáveis paralisias de vontade. Recordo, outrora, dos violentos amores sentidos em que não admitia estorvos e que não consentia contradições, a ponto de abdicar-me em prole da felicidade de outros. Se este amor, sentido numa hora de perfeição inefável e sagrada, pudesse durar uma eternidade o meu mundo não se teria tornado num enorme pântano profundo.
Mas, até o amor nos mente...! 

(19)